Os 2 erros mais comuns que empresas cometem tentando ranquear seu site no Google.

Escolher palavras-chave individuais, populares e genéricas


Se você é o dono de uma concessionária, provavelmente a primeira e mais importante palavra-chave que vem à sua mente na hora de começar é carro. Faz sentido, afinal você vende carros e seu objetivo é que todas de pessoas interessadas nesse assunto tenham acesso ao seu site.


Mas infelizmente... esse não é o objetivo do Google (ou qualquer outro buscador).


O objetivo dos buscadores é mostrar exatamente o que o usuário está procurando o mais rápido possível.

Pense comigo: Quando alguém digita carro em um buscador, como ele vai saber exatamente o que esta pessoa está procurando? (Nós sabemos como, mas isso é assunto para outro artigo!)


Ela quer comprar um carro? Mas um carro novo? Usado? Que faixa de preço? Que modelos?

Ela quer consertar seu carro? Em concessionária? Em um mecânico individual? Ela mesma?

Ela quer ler artigos sobre carros? Que tipo de artigos? F-1? Carros de luxo? Motores? Modelos?

E se ela está procurando carros de brinquedo?

E se ela procura dados mercado de automóveis?


Acho que deu para ter uma ideia que é virtualmente impossível para o buscador descobrir o que a pessoa busca com apenas essa informação. A palavra “carro” resulta em aproximadamente 556.000.000 páginas diferentes no Google. Será que entrar nessa competição realmente vale a pena?


Agora imagine que a mesma pessoa procure “Renault Clio 1.0 em São Paulo”. Agora sim os buscadores sabem qual é intenção de busca desse usuário e podem direcioná-lo para páginas que contenham exatamente o que ele está procurando.

Quando você sabe a intenção de busca do seu cliente, você pode otimizar seu site com as palavras-chave que vão levar ele diretamente para o seu site. Quanto mais específicas forem suas palavras-chave, mais efetivas elas serão em direcionar o cliente certo ao seu conteúdo.


Não pesquisar as SERPS antes de montar sua estratégia


SERPS (Search Engine Result Pages - Páginas de Resultado de Buscadores, em inglês) podem influenciar e muito a maneira de você precisa estruturar a sua estratégia de SEO. É estimado que 35% dos cliques de um usuário vão para o site que está no topo do ranking do Google. Isso significa que importante que você otimize não apenas as páginas do site, mas também produtos, arquivos, vídeos e até podcasts. Na maioria das vezes você competirá com resultados de empresas locais, o que já ocupa muito espaço na primeira página. Outras vezes, até o Google vai entrar na briga:






Isso se chama Knowledge Graph, basicamente uma tentativa do Google de responder mais rapidamente o usuário (lembra do objetivo do Google?). Isso é bom para o usuário, mas nem tento para você, afinal não é possível saber quantas pessoas viram o conteúdo e você perde a oportunidade de apresentá-lo no contexto do seu site.


Além disso, a quantidade de anúncios que suas palavras-chave geram também podem influenciar no seu resultado, principalmente no mobile. A tela menor do celular tende a favorecer ainda mais os resultados de topo de página e, mesmo que seu ranking orgânico esteja alto, a visibilidade do seu site estará comprometida.


Levar em consideração os resultados que aparecem nas suas palavras-chave é importantíssimo na hora de construir a sua estratégia. Se a palavra que você está usando tem demasiados anúncios e knowledge graphs, talvez seja importante mudar de tática para ganhar mais visibilidade.

Recent Posts
Archive

Entre em contato comigo:

Criado por Alex Floriano